May 20, 2024

Por que meu trabalho na UTI me convenceu a NUNCA fazer uma operação de rotina: O relato assustador de uma enfermeira sobre os traumas diários de cuidar de pacientes na ala onde a vida está por um fio.

Por que meu trabalho na UTI me convenceu a NUNCA fazer uma cirurgia de rotina: O relato assustador de uma enfermeira sobre os traumas diários de cuidar de pacientes na sala onde a vida está por um fio

Trabalhar em uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI) é uma experiência como poucas. É um ambiente onde a vida e a morte se encontram todos os dias, onde os pacientes estão em seus momentos mais vulneráveis e onde a pressão e a tensão são constantes. Como enfermeira em uma UTI, sou testemunha de muitos casos graves, de lutas desesperadas pela vida e de momentos de angústia e desespero. E é por tudo isso que minha experiência no trabalho me convenceu de uma coisa: nunca farei uma cirurgia de rotina.

A UTI é um lugar onde os pacientes estão lutando pela sobrevivência. Eles estão conectados a máquinas, monitorados constantemente e sua condição pode mudar em questão de segundos. O que pode parecer uma cirurgia simples e rotineira para muitos pode se tornar um pesadelo na UTI. Os riscos são altos, as complicações são frequentes e a recuperação pode ser um longo e doloroso processo.

Ao longo dos anos, vi muitos pacientes entrarem na UTI após cirurgias aparentemente simples. Alguns deles nunca saíram. Os riscos de complicações são reais e podem acontecer com qualquer um. E, como enfermeira, fico sempre alerta para qualquer sinal de deterioração na condição dos pacientes pós-operatórios. Muitas vezes, é uma corrida contra o tempo para tentar reverter uma situação crítica e salvar uma vida.

Além das complicações físicas, há também o aspecto emocional de lidar com pacientes em situações extremas. Ver alguém lutando pela vida, enfrentando a dor e o medo, é algo que deixa marcas profundas na alma. Lembro-me de um paciente em particular, um jovem que havia passado por uma cirurgia cardíaca de rotina e que teve complicações graves pós-operatórias. Ele passou semanas na UTI, lutando contra infecções, insuficiência cardíaca e outras complicações. Foi um dos casos mais difíceis que já vi e, infelizmente, ele não resistiu.

Essa experiência e muitas outras como ela me fizeram questionar a necessidade de cirurgias de rotina. Por que arriscar a própria vida por algo que pode ser adiado ou evitado? Por que submeter-se a um procedimento que pode ter consequências graves e até mesmo fatais? Aprendi que a vida é preciosa demais para ser arriscada em uma cirurgia desnecessária.

Além disso, trabalhar na UTI também me fez perceber a importância de cuidar da saúde e prevenir doenças. Muitas das complicações pós-cirúrgicas que vejo nos pacientes poderiam ter sido evitadas se eles tivessem adotado um estilo de vida saudável, se tivessem se cuidado e procurado ajuda médica mais cedo. A prevenção é o melhor remédio e, como profissional de saúde, incentivo todos a cuidarem de si próprios e a não subestimarem os sinais do corpo.

No entanto, sei que nem todas as cirurgias podem ser evitadas. Há casos em que a intervenção cirúrgica é necessária e pode salvar vidas. Nestes casos, é importante estar bem informado, escolher um cirurgião qualificado e estar preparado para os possíveis riscos e complicações. A decisão de fazer uma cirurgia não deve ser tomada de forma leviana, mas sim com base em uma avaliação cuidadosa dos prós e contras.

Trabalhar na UTI me mostrou o quão frágil e preciosa é a vida. Vi pacientes jovens e saudáveis serem confrontados com doenças graves e cirurgias de risco. Vi famílias inteiras serem devastadas pela perda de um ente querido. Vi a força e a coragem de pessoas que lutam contra todas as probabilidades. E, acima de tudo, vi a importância de valorizar cada momento e de cuidar da nossa saúde.

Por isso, minha experiência na UTI me convenceu de uma coisa: nunca farei uma cirurgia de rotina. Não estou disposta a arriscar minha vida por algo que pode ser evitado. Prefiro adotar um estilo de vida saudável, cuidar da minha saúde e prevenir doenças. E, se um dia eu precisar de uma cirurgia, farei questão de estar bem informada, de escolher um profissional qualificado e de estar preparada para os riscos e complicações que possam surgir.

Trabalhar na UTI é um desafio diário, mas também é uma fonte de aprendizado e de gratidão. Agradeço por cada vida que consegui salvar, por cada paciente que se recuperou e por cada lição que aprendi ao longo do caminho. E, acima de tudo, agradeço por ter a oportunidade de cuidar e de fazer a diferença na vida das pessoas.

Portanto, se você está pensando em fazer uma cirurgia de rotina, pare e reflita. Avalie os riscos e as consequências, informe-se sobre as opções e esteja preparado para tomar uma decisão consciente e responsável. A sua vida é o seu bem mais precioso e merece ser cuidada com todo o carinho e atenção. Nunca subestime a importância de cuidar de si mesmo e de prevenir doenças. A vida é um presente e devemos valorizá-la em todos os momentos.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *